20.5.15

Blogagem coletiva

Eu aceitei o convite pelo blog da Luma. Entre nessa você também, o tema tem tudo a ver!
Ah, falando dela, eu visitava a Luma, "bebia" seus posts e demorei a comentar, porque o blog é todo intelectual...  Eu não me atrevia.
E não é que passei a ser visitada por ela e receber maravilhosos e instrutivos comentários? Me senti (e sinto) o máximo com eles!
Conheci esse mundo em 2010, e minha Madrinha bloguística mora na Noruega. Achei fantástico conhecer o cotidiano de um país tão longínquo e pouco divulgado aqui no "cafundó". Li o blog como a um livro de contos - e recomendo.
Depois, fui me aprofundando na vida de mulheres brasileiras pelo mundo, fui me apegando mais até montar essa casinha onde escrevo minhas bobices tortas.
O que mais me intriga é o desaparecimento abrupto de blogueiras assíduas que trancam o blog de uma hora para outra, como se algo tivesse acontecido; ou simplesmente somem e deixam o blog às moscas.
Tenho muita saudade também Desta menina, cujo blog li feito um livro de memórias, e ao final ela se despede elegantemente. Quanta coisa aprendi sobre o oriente, que sequer imaginava! Quanta coragem desta menina em rodar países estranhos completamente só...
Há blogs lá na minha lista aguardando que o proprietário reapareça, embora eu saiba que provavelmente a pessoa mudou de rede social ou mudou de vida mesmo. 
Uma pessoa que conheci e me considero quase íntima é a portuguesa Majo que ainda não tem blog, então nem sei sua fisionomia. Não é louca essa relação íntima sem ter sequer um rosto?
Outra portuguesa que eu acompanhava, é uma pessoa que escrevia quase diariamente e num "de repente" abduziu-se: A  Suricate. Que teria acontecido?
São tantas outras nesses encontros e desencontros. Mas o mundo bloguístico não é só feminino, e um companheirão que fiz chama-se Bruno: Ativista de Direitos Humanos nascido em Portugal, que vive na França.
E VIDA LONGA A NOSSOS BLOGS!